- PUBLICIDADE -

SÃO PAULO

SP libera conclusão de vacinação de gestantes e puérperas com imunizantes diferentes

Publicados

em





Medida vale especificamente para mulheres que tomaram a primeira dose da vacina da Fiocruz/AstraZeneca contra COVID-19



O Vice-Governador Rodrigo Garcia anunciou nesta quarta-feira (21) que os municípios do estado que aplicaram a primeira dose da Fiocruz/AstraZeneca/Oxford em gestantes e puérperas estão autorizados a concluir o esquema vacinal com a segunda dose com imunizante da Pfizer.

Veja também
Site Vacina Já faz pré-cadastro da imunização contra COVID-19
Guia de prevenção sobre o novo coronavírus
As medidas adotadas pelo Governo de SP para o combate ao coronavírus

“A medida passa a valer a partir desta sexta-feira, dia 23, e é válida a todas as gestantes e puérperas que tomaram primeira dose da AstraZeneca e que poderão tomar a segunda dose da Pfizer”, disse Garcia. Essa decisão favorece grávidas e puérperas que ainda precisariam esperar a conclusão do período puerpério – 45 dias após o parto – para só então receber a segunda dose da vacina da AstraZeneca.

Agora, as grávidas não precisarão mais esperar o período de um mês e meio depois do parto para estarem protegidas. Pactuada com o Cosems (Conselho de Secretários Municipais de Saúde), a estratégia permite que os gestores do SUS de São Paulo apliquem a vacina da Pfizer em 12 semanas, mediante termo de ciência, nas mulheres que já receberam o imunizante da AstraZeneca.

Leia Também:  Ciclo ILP-FAPESP discute a corrida das vacinas contra a COVID-19

“A gente pede que essas gestantes que tomaram a primeira dose da AstraZeneca verifiquem seu cartão vacinal. Então, procure a unidade básica de saúde, de preferência onde já tomou a sua primeira dose para, no prazo, tomar a segunda dose da vacina da Pfizer”, disse a coordenadora geral do PEI (Plano Estadual de Imunização), Regiane de Paula.

Estes grupos de mulheres foram incluídos na campanha em maio, período em que o Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, suspendeu o uso dessa vacina para estes públicos. A decisão foi embasada em estudos que demonstraram boa proteção com a chamada “intercambialidade” de vacinas desses dois laboratórios, e está em conformidade com recomendações da SOGESP (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo), da Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações (CPAI) e do Centro de Contingência do Coronavírus.

Desde maio, 8,8 mil grávidas e puérperas receberam a primeira dose da AstraZeneca e poderão retornar aos postos de saúde para completar o esquema vacinal e o PEI (Plano Estadual de Imunização) disponibilizará vacinas da Pfizer para a segunda dose destas mulheres. Em toda a campanha, 229 mil delas já iniciaram o esquema e 34,6 mil já estão completamente imunizadas.

Leia Também:  HC lidera estudo inédito de resposta à vacina em pacientes imunossuprimidos

“A SOGESP tem acompanhado de perto o trabalho do Governo do Estado. São Paulo já vacinou praticamente metade das gestantes e puérperas, é um dos estados que mais vacinou. A gente vê com muita alegria esse anúncio porque isso trazia muita insegurança para essas mulheres que tomaram a primeira dose da AstraZeneca”, complementou a presidente da SOGESP, Rossana Pulcineli.

Fonte: Governo de SP

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo
Propaganda
- PUBLICIDADE -

MAIS LIDAS DA SEMANA