- PUBLICIDADE -
InícioMaranhãoSecretário de Estado da Saúde participa da 9ª Reunião da Comissão Intergestores...

Secretário de Estado da Saúde participa da 9ª Reunião da Comissão Intergestores Tripartite, em Brasília

Secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, em Brasília. (Foto: Divulgação)

“É necessário fazer um debate adequado acerca do orçamento da saúde para 2022”, alertou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, durante a 9ª Reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), nesta quinta-feira (30). A preocupação do gestor da saúde se baseia na nota técnica das consultorias de orçamento da Câmara e do Senado sobre o Plano de Lei Orçamentária Anual (PLOA) para 2022, publicado no dia 29, que indica a redução dos investimentos para a saúde.

“Sete bilhões de reais para o enfrentamento da pandemia no ano vindouro é apenas 17% do montante empenhado em 2020 (R$ 42,2 bi) e 15% do total autorizado em 2021 para essa finalidade (R$ 47,1 bi). Não teremos mais vacinação no ano que vem? Ou restarão prejudicadas medidas outras essenciais para a retomada do sistema de saúde que vive as mazelas de uma guerra que não sabemos como findará?”, criticou o secretário.

Se comparados os últimos cinco Planos de Lei Orçamentária Anual, o Sistema Único de Saúde tem perdido recursos, também em razão do teto de gastos. As dotações propostas para o PLOA 2022 são 7% menores que o PLOA 2018. O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) propõe levar a discussão para o Congresso Nacional a fim de evitar maiores danos.

Durante a reunião da CIT, o presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Wilames Freire, também pontuou para a necessidade de imediata ação dos três gestores dos SUS – Conass, Conasems e Ministério da Saúde – para reverter o recuo dos investimentos. “Acho que esta Tripartite tem por obrigação encaminhar à área econômica do Governo a imediata incorporação para o orçamento de 2022 de mais recursos para a atenção primária. Nós temos um 2022 muito difícil”, disse.

Para os gestores do SUS, os principais desafios para 2022 são as constantes perdas de financiamento do Sistema, a necessidade de recursos para os centros de reabilitação de pacientes com sequelas da Covid-19, bem como a manutenção do financiamento federal dos leitos de UTI abertos durante a pandemia, que devem continuar após a crise epidemiológica para assistência de outras patologias.

< href="https://www.ma.gov.br/agenciadenoticias/?p=320919">

Fonte: Agência de Notícias do Maranhão

Últimas Notícias

MAIS LIDAS DA SEMANA