- PUBLICIDADE -

É O BICHO

Loja é criticada por condenar peixe gigante “a viver enclausurado” em aquário

Publicados

em

Uma loja tem sido criticada nas redes sociais por manter um pirarucu gigante em um pequeno aquário apenas para entreter os clientes. Para a ativista pelos direitos animais Greice Maciel, de 36 anos, é inaceitável que o peixe viva nessas condições.

“Retiram um animal de 2,5 m e 150 kg da bacia amazônica e o condenam a viver enclausurado em um espaço minúsculo para atração do público!”, afirmou a ativista ao criticar a loja localizada na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Em uma publicação que viralizou nas redes sociais, Greice relata que, até então, não sabia que o peixe era tratado como atração para o público. Ela cita também um incêndio ocorrido em 2013 que matou animais que viviam no aquário e lamenta o fato dos clientes da loja considerarem normal o aprisionamento do pirarucu em um pequeno espaço.

“Algumas pessoas têm alegado que o animal, muito provavelmente, nasceu em cativeiro e que é legal. O meu questionamento é até que ponto, mesmo que seja legal, é eticamente aceitável você explorar um animal que não pertence aquele ambiente, que é minúsculo?”, disse a ativista ao propor uma reflexão sobre direitos animais.

Leia Também:  Joe Biden lamenta morte de seu cão mais velho: ‘Sentiremos sua falta sempre’

Greice criticou ainda a retirada de animais de seu habitat para que sejam confinados em aquários “para o nosso egoísmo e capricho”. “A gente tem que questionar quais direitos esses animais têm e que estão sendo negligenciados até mesmo pela forma da legislação”, reforçou.

Imagens feitas na loja mostram o peixe nadando em círculos no pequeno aquário, condenado a viver uma vida miserável. Na opinião de Greice, esse tipo de situação ainda é recorrente porque “as pessoas são acostumadas a certos tipos de atitudes que acontecem na nossa sociedade e acabam vendo isso como normal. Já faz parte da cultura, já vem de anos, e às vezes não se questionam”.

O sofrimento do cativeiro

Tenham o mar ou os rios como habitat, quaisquer peixes dispõem de espaço imensamente maior para viver do que os tanques de água e aquários. Por maiores que sejam, eles ainda serão pequenos.

Assim como zoológicos, esses estabelecimentos são criados para gerar lucro. E mesmo que outras alegações sejam feitas para justificar a existência deles, não há nenhuma razão que sobressaia o lucro. Se não fossem lucrativos, eles sequer existiriam.

Leia Também:  Homem lamenta abandono de cães que comem fezes para sobreviver: ‘Dói ver o sofrimento deles’

Os animais – sejam silvestres ou marinhos, de água doce ou salgada – só devem viver em cativeiro caso não existam condições de mantê-los na natureza (como é o caso de animais resgatados em condição de debilidade que os impede de retornar ao habitat). Ainda assim, o lugar adequado para recebê-los são santuários – que devem ser criados pelos governos e por empresas e pessoas físicas realmente comprometidas com o conservacionismo, que tenham a intenção de realizar iniciativas visando única e exclusivamente o bem-estar animal, sem foco no lucro.

Os aquários, no entanto, não existem com esse propósito. O objetivo deles é o lucro, como também ocorre com os zoológicos. E se ainda existe alguma dúvida sobre isso, basta imaginar uma condição na qual os sócios desses estabelecimentos, por qualquer que seja a razão, parassem de ganhar dinheiro explorando animais para entretenimento. Se manteriam abertos? Zoológicos pelo mundo já deram a resposta fechando as portas quando os lucros não chegaram – muitas vezes, inclusive, matando os animais num ato que chamaram de sacrifício, mas que na verdade é assassinato.

Fonte: Agência de Notícias dos Direitos dos Animais

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo
Propaganda
- PUBLICIDADE -

MAIS LIDAS DA SEMANA