- PUBLICIDADE -
InícioCÂMARA DE SÃO PAULOEspecialistas afirmam que não há evidência de eficácia do uso da cloroquina...

Especialistas afirmam que não há evidência de eficácia do uso da cloroquina no tratamento da Covid-19


.

KAMILA MARINHO
HOME OFFICE

Não há comprovação para a eficácia do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina em casos de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus (SARS-Cov-2), é o que afirmam médicos e cientistas do Brasil e do mundo. Resultados de várias pesquisas demonstram que o uso dos medicamentos pode causar vários efeitos colaterais ao serem administrados durante o tratamento.  Um dos efeitos mais frequentes é a arritmia cardíaca, podendo ser fatal ao paciente.

USO REGULAMENTADO NO BRASIL

Mesmo reconhecendo que não há garantias de resultados positivos, o Ministério da Saúde, em protocolo publicado em 20 de maio, recomendou a ampliação da utilização da cloroquina para casos leves da doença no Brasil. Na recomendação do Ministério da Saúde, determinada pelo presidente Jair Bolsonaro, indica-se que o medicamento seja administrado junto à azitromicina, um antibiótico. A azitromicina, assim como a cloroquina e hidroxicloroquina, também pode causar arritmia cardíaca.

A decisão contraria as Diretrizes para o Tratamento Farmacológico da Covid-19, divulgada por Sociedades Médicas um dia antes. Na publicação, assinada em conjunto pela Associação Brasileira de Medicina Intensiva, Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, os médicos pontuam o nível baixo ou muito baixo de evidências na rotina no tratamento da doença com a cloroquina ou hidroxicloroquina e recomendam que não sejam utilizadas, nem sozinhas nem combinadas à azitromicina.

OMS (Organização Mundial da Saúde) se manifestou após a decisão do governo brasileiro afirmando que “nem a cloroquina nem a hidroxicloroquina têm sido efetivas no tratamento da Covid-19 ou nas profilaxias contra a infecção pela doença. Na verdade, é o oposto”.  A organização decidiu fazer pesquisas e estudos mais aprofundados sobre as substâncias.

O CONASS (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) divulgou nota destacando que a decisão do Ministério da Saúde não teve participação técnica na deliberação do Ministério da Saúde.

PESQUISA BRASILEIRA

Após analisar pesquisas recentes relativas à rotina de tratamento com cloroquina e hidroxicloroquina (composto análogo à cloroquina), o professor do Instituto de Química da UNICAMP (Universidade de Campinas), Luiz Carlos Dias, indica que “os resultados de ensaios clínicos em seres humanos para SARS-CoV-2, em diferentes estágios da infecção, não são favoráveis”.

Os estudos que mostram algum benefício, diz, foram feitos de forma não randomizada, sem placebos e sem duplo-cegos, procedimentos de pesquisa que são adotados para dar mais segurança nos resultados sobre a eficácia clínica do medicamento.

Fontes: Ministério da Saúde, OMS, UNICAMP, Associação Brasileira de Medicina e CONASS

*Este conteúdo e outros conteúdos especiais podem ser conferidos no hotsite Coronavírus

Últimas Notícias

MAIS LIDAS DA SEMANA