- PUBLICIDADE -
InícioCÂMARA DE SÃO PAULOCoronavírus: campanha incentiva doação de sangue mesmo na pandemia

Coronavírus: campanha incentiva doação de sangue mesmo na pandemia


.

MARIANE MANSUIDO
HOME OFFICE

O Brasil sempre costumou registrar quedas nos estoques dos bancos de sangue no mês de junho. Esse recuo é explicado em parte pela chegada do inverno e a maior incidência de infecções respiratórias. Por essa razão, é neste mês que acontece a campanha anual Junho Vermelho, que busca incentivar a doação de sangue, além de celebrar, no dia 14 de junho, o Dia Mundial do Doador de Sangue.

Mas esse ano, o País enfrenta uma situação bem diferente, em que a principal recomendação é ficar em casa para evitar o contágio da Covid-19. Diante dessa nova realidade, a campanha alerta que não só é seguro doar sangue, como também é necessário.

Desde o início da pandemia, uma das principais preocupações dos órgãos da saúde é quanto ao abastecimento dos bancos de sangue, uma vez que casos de anemias crônicas, acidentes que causam hemorragias, complicações decorrentes da dengue, febre amarela, por exemplo, continuam ocorrendo. O consumo de sangue é diário e não parou por conta da pandemia, portanto, as doações também não podem parar.

De acordo com o Ministério da Saúde, os cerca de 32 hemocentros e 500 serviços de hemoterapia – onde também são feitas coletas e uso do sangue – do país estão preparados, com equipes treinadas para realizar o serviço de coleta de sangue com segurança. Além disso, as unidades seguem protocolos rígidos de higiene, disponibilizando condições de lavagem de mãos, uso de antissépticos e acolhimento que minimizem a exposição e aglomeração de pessoas, respeitando distanciamento social.

Além das restrições para doadores que já haviam antes do início da pandemia, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e o Ministério da Saúde também incluíram novas recomendações a partir da circulação do novo coronavírus. Se você foi infectado pela Covid-19, deve aguardar o período de 30 dias após a completa recuperação para doar sangue. Se teve contato com pessoas que testaram positivo para a Covid-19, deve aguardar 14 dias, no mínimo, para fazer a doação.

Veja como doar sangue

  • Portar documento oficial de identidade com foto (RG, Carteira Profissional, Carteira de Habilitação);
  • Ter entre 16 e 69 anos de idade, sendo que a primeira doação deve ter sido feita até 60 anos;
  • Pesar acima de 50 kg;
  • Estar em boas condições de saúde;
  • Estar alimentado, porém evitar refeições pesadas (gordurosas).

Em São Paulo, a Fundação Pró-Sangue possui seis unidades na Região Metropolitana e atende pelo telefone (11) 4573-7800 para tirar dúvidas e realizar agendamentos.

 

Últimas Notícias

MAIS LIDAS DA SEMANA